domingo, 31 de janeiro de 2010

Mais um texto Traduzido da Sci Am

Resolvi traduzir mais um texto bacana da Sci Am. Trata da relação do modo de vida consumista com a sustentabilidade. Isso por que tenho sérias dúvidas de que as duas coisas não são mutuamente exclusiva, bem como sérias dúvidas de como proceder, agir, viver como Cristão frente a essa sociedade de consumo. Quem ler o texto pode até pensar que eu sou um eco-chato ou coisa assim, não sou. Mas tenho refletido no assunto e buscando respostas. Por isso achei bacana traduzir o texto para os leitores
.

De acordo com uma pesquisa realizada pelos experts em sustentabilidade Brenda e Robert Vale, da Victoria University na Nova Zelandia, um par de cães da raça pastor alemão mantidos como mascotes na Europa ou Estados Unidos consomem, por ano, em média, mais do que uma pessoa vivendo em Bangladesh. E então? Será que os males ambientais do planeta são, de fato, resultado do crescimento do número de pessoas no planeta - número que, segundo previsões, atingira pelo menos 9 bilhões em 2050? Ou será que eles tem uma relação mais acentuada com o fato de que, enquanto a população humana dobrou nos últimos 50 anos, nós tivemos um aumento de quatro vezes em nossa utilização de recursos?
.
Afinal de contas, os cerca de 40.000 participantes da recente c
onferencia climatica em Copenhagen produziram mais emissões de gases do efeito estufa em duas semanas do que 600.000 etiopes produzem em um ano. De fato, as 500 milhões de pessoas mais ricas do planeta produzem 50% das emissões de dioxido de carbono globais, comparados aos 3 bilhões mais pobres que produzem apenas 6% - Sozinhos, os norte-americanos utilizam 88Kg de produtos (como alimentos e água, alem de plasticos, metais e outras coisas) por dia, ou mais ou menos um "eu" por dia [traduzi o texto do jeito que está no site. Na verdade eu peso coisa de 65-70Kg].
.
Como colocado de forma clara pela "
United Nations Millennium Ecosystem Assessment" em 2005: "a atividade humana esta colocando um peso tal sobre as funções naturais da Terra que a habilidade dos ecossistemas do planeta para sustentar gerações futuras não pode mais ser tido como certo".
.
E o consumismo não está sequer cumprindo sua promessa - uma vida melhor. "A cultura consumista não está apenas causando destruição ambiental sem precedentes, ela está, em muitos casos não entregando o bem estar que ela deveria para as pessoas", disse Christopher Flavin, presidente do Worldwatch Institute, durante uma entrevista com a imprensa na semana passada dirigida para divulgar o seu novo relatório "State of the World" [condição do mundo], "
Transformando culturas: do consumismo a sustentabilidade". "Os tipos de mudanças políticas discutidas em Copenhagen também são críticas e, de fato, andarão lado a lado juntamente com uma mudança cultural (indo do consumismo à sustentabilidade)".

O que ele quer dizer com "mudança cultural"? Bem, um exemplo seria uma alteração da forma com que os funerais são realizados no ocidente - indo de injetar substancias quimicas toxicas nos corpos, selando-os em caixões caros e não degradaveis que são então enterrados em cemitérios que mantém os jardins eternamente verdes as custas de fertilizantes e pesticidas - para enterrar os entes queridos de formas projetadas para curar as feridas das famílias bem como as do meio ambiente (e, em última analise, transformar esses locais em reservas naturais). "Dois séculos de desenvolvimento de uma cultura consumista nos levaram a achar totalmente natural definirmos a nos mesmos primariamente por aquilo que consumimos e como", disse Erik Assadourian, autor do relatório para "Worldwatch", sejam hamburguers do McDonald's ou veiculos Hummer.

Os pesquisadores da 'Worldwatch' indentificaram seis instituições que devem ser alteradas para promover sustentabilidade: educação, negócios, media, governamental, movimentos sociais e tradições culturais. "Não é um projeto surgido 'do-nada' " alegou o co-autor do relatório e cientista político Michael Maniates do Allehgheny College na Pennsylvania. "Existem fortes elementos culturais que dão muito valor a comportamentos como a frugalidade ou a parcimonia. Nós devemos re-centralizar as condições culturais que chamam aquilo de dentro de nós que foi
suprimido".

E esta ética cultural de consumismo não está confinada ao mundo desenvolvido; paises em desenvolvimento também a estão adotando como um modelo economico. "O consumismo esta se espalhando pelo mundo", adicionou Assadourian, notando que a China, entre outras coisas, ultrapassou os E.U.A. como o maior mercado para carros novos vem como o maior emissor de gases do efeito estufa. "Será que isso vai continuar se espalhando? Ou as nações irão começar a reconhecer que esse não é um bom caminho?"

Ao mesmo tempo, uma mudança cultural pode já estar a caminho, representada por esforços como exemplificados pelo esforço do Equador em colocar dar atenção aos direitos da "Mãe Natureza" em sua constituição, ou aqueles da fabricante de carpetes com sede nos E.U.A., Interface para criar um produto que não requer a utilização de nada do meio ambiente que este não possa renovar.

No entanto a visão geral é a de que tais esforços foram soterrados por uma crescente maré de consumismo, especialmente com relação as recentes bugigangas eletronicas. Mas talvez aquele desejo pela última investida do merchandise da Apple possa ser substituido por aquilo que inventores como Saul Griffiths chama de "Heirloom culture" (a tradução seria algo como 'cultura de herança'), tratam se de produtos que duram por toda a vida ou mais. "Em essência, a vida 'descartável' será substituida por uma vida sustentável", disse Assadourian, "um mondo onde o 'machão' não será definido pelo tamanho do motor do carro, mas pelo fato de não se possuir um".

Em outras palavras, o problema é simplesmente a nossa economia voltada para o
consumo
. E em relação as propagandas de produtos que parecem nos dizer: "Nós não somos ignorantes, nos não possuimos princípos maus ou equivocados em relação ao meio ambiente" Maniates às traduz da seguinte forma: "Nós estamos tentando fazer o melhor possível dentro de sistemas culturais que elevam escolhas não-sustentáveis".

É claro, ao mesmo tempo, a "Worldwatch" gostaria que você gastasse US$19,95 e adiquirisse uma versão impressa do seu relatório, ou US$9,95 por um PDF ou documento eletronioco para o seu Kindle (sim, trata-se de mais uma bugiganga eletrônica). Trocar uma ética captalista consumista continua sendo mais dificil na prática do que na teoria...

.
Paz

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Quatro palavras para todo casal

Ontem fizemos, eu e a pequena, 4 anos de namoro. Da até vergonha de lembrar que oficializamos nossa relação no Ark, no meio de uma daquelas terríveis convenções para aficçionados em mangás e animes. Furi-Kuri e mais uma meia duzia de animes a parte - bem como algumas bandas de J-Rock - nunca fui muito chegado em coisas de otaku. E ao longo dos anos eu aprendi a ter um saudavel preconceito frente a coisa toda. Eu geralmente frequentava essas tais convenções para auxiliar um grande amigo que costumava montar uma barraquinha para vender tranqueiras lá. Estas experiências foram bem traumatizantes e hoje para mim é dificil conversar com alguem sobre mangas e animes sem mostrar, de forma ofensiva, o tal preconceito. (é brincadeira, ok) Ainda assim, dei boas risadas naqueles dias e até confesso que sinto saudades. E foi alí que - com um amigável aperto de mão - começou um namoro que já dura quatro anos! LEGAL.
.
Fica aí um post chupinhado da net que eu encontrei há um tempo e que achei bacana!
.

Há quatro palavras, ou frases, que precisamos falar todos os dias para os nossos cônjuges.
Se não falamos em voz alta, precisamos pelo menos falar em nosso coração.
Estas palavras curam muitos dos males que prejudicam o casamento.
Ao falar estas palavras, a correspondente atitude tem que acompanhar. Se forem apenas palavras, nada adiantariam. E diga você estas palavras:

1. "EU TE PERDÔO".

Mt 6.12; 18. 21-22; 2Co 2.10; Ef 4.32
Estas palavras (e atitude) curam o ressentimento e amargura.
Pergunta para se fazer a si mesmo todos os dias: "Em que eu tenho ofendido ou defraudado? Pelo que eu sinto mal para com meu cônjuge?"

2. "EU TE ELOGIO".

Pr 31.28-31; 1Pe 3.7
Estas palavras curam a crítica e a acusação.
Pergunta para se fazer a si mesmo todos os dias: "O que meu cônjuge fez de bem hoje?"

3. "EU TE SIRVO".

Gl 5.13
Estas palavras curam o egoísmo e a omissão.
Pergunta para se fazer a si mesmo todos os dias: "Como eu posso ajudar meu cônjuge hoje?"

4. "EU TE AMO".

Gl 5.14; 2Co 4.5
Estas palavras curam a negligência.
Pergunta para se fazer a si mesmo todos os dias: "Como eu posso mostrar hoje o meu amor pelo meu cônjuge?"

Conclusão:

Se você falar todos os dias estas palavras para seu cônjuge, você terá um relacionamento conjugal que deixará os outros boquiabertos.

.
.
.
Paz


terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Sobre aquelas coisas que podem pular na sua cabeça a qualquer hora, mas só pulam quando você esta orando...

Outro dia eu estava orando (sim, eu faço isso, e mais! Acredito que a coisa toda funcione). Uma das boas pedidas que me afastaram da 'aridez espiritual' que mencionei no ultimo post foi, sem dúvida a oração. Tive a oportunidade de ler, seguindo uma recomendação de um amigo, o livro "Oração" de Philip Yancey e me foi um bom 'boost' à oração (esse post não é sobre o tal livro, tem uma resenha dele AQUI).
.
Enfim, estava orando acerca dos rumos da minha vida, do meu relacionamento com a minha pequena, com minha familia, minhas tretas, desavenças e talz. Abri meu coração, mostrei minha vontade pra Deus. No meio da coisa toda, pulou na minha cabeça uma idéia. Eu sugeri pra Ele se não seria uma boa se Jesus aparecesse diante de mim e de minha pequena, abençoasse nosso casamento (de preferencia dando o $$ para a entrada de um apartamento no butantã), se revelasse a algumas pessoas, desse uma grande bronca em outras.
.
Orei de palhaço, eu bem sei. As coisas não funcionam desse jeito. Penso que de alguma forma a resolução de absolutamente todas as tretas e sofrimentos da vida meio que acabariam com seu proposito (eu não sei bem qualé o tal propósito, mas tenho aprendido a confiar em Deus).
.
Não tenho problemas com oração. No livro do Yancey “Oração”, fico até constragido ao ler relatos de tanta gente que experimentou a silencio de Deus, que aguentou essa experiencia matando no peito feito teste de fé. Muitas de minhas orações são respondidas (pelo menos assim interpreto), e as orações palhaças não são exceção!
.
Deus, que eu queria ver atendendo com trovões, responde num sussurro que, imagino, deve passar batido a maioria das vezes. E o sussurro sempre fala no meu coração.
.
Peço pra Deus mudar as coisas lá em casa. Ele responde pra eu mudar meu coração
Peço pra Deus mudar meus relacionamentos. Ele responde pra eu mudar meu coração
.
E é aí que complica. Por que aí você se liga e tem que admitir: “eu não consigo”. E penso que é aí que Deus começa a agir, é aí que as coisas começam a dar certo.
.
O livro do Yancey fala de muita gente que não ora por que acha que é perda de tempo ou coisa assim, eu mesmo me pego protelando uma oração, esquecendo, me concentrando em coisas “mais importantes”. Mas não é por que a oração é ‘inutil’, é porque ela é dificil. Orar é tipo ‘discutir relação’ com Deus, e a gente não quer discutir relação. Numa relação a gente só quer a parte boa (cinema e beijihos), mas uma hora tem que discutir relação. E as vezes é um saco... Ainda assim, depois da discussão de relação, uma vez colocadas nas mãos de Deus (porque a gente não consegue), as coisas começam a se resolver –espero né... É isso

Paz de Cristo


quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Imagens e palavras

O fim de ano veio e foi e o blog anda meio paradão. De tudo que leio e penso tenho tido pouco animo para passar para vocês, putativos leitores. Acho isso ruim. Nesses três anos de 'vida de crente' aprendi que esse período de festas de fim de ano é, para mim, paradoxalmente, muito 'espiritualmente árido'.
.
Neste ano resolvi tentar fazer diferente e acho que obtive resultados razoaveis. Gostaria que isso tivesse transbordado pra cá pro blog mais. Mas também, já precebi, o blog é orgânico. Posts brotam, surgem, são espontaneamente chupinhados, mais do que são planejados e arquitetados.
.
Em um novo começo, que na verdade é uma continuidade, pois é isso que desejo fazer de 2010, queria mesmo não deixar o blog de fora desse renovo/continuidade/crescimento...
.
Bem, é isso. Meu anseio para este blog em 2010 é aprofundar algumas coisas e mudar outras.
.
E se tudo der errado, bem, que seja.
.
Por enquanto Ficam aí uns filminhos nada-ver, de umas músicas que alguns podem achar clichê, mas eu acho que são lindas.

.
video

.

video


.
PAZ!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Seres humanos (não muito brilhantes é verdade), mas, ainda assim, seres humanos


Sairam os vencedores do 'Darwin Awards' de 2009. Pra quem não sabe, "Darwin Awards" é uma homenagem postuma concedida a pessoas que retiram seus genes do pool genico de alguma forma 'pouco-brilhante'.

Geralmente se tratam de pessoas que tiveram ideias terrivelmente pouco inteligentes (como o cara que tentou comer uma salamandra venenosa), ou erros crassos de calculo (como os 2 ladrões que calcularam mal a quantidade de explosivo necessaria para explodir a parede de um banco e acabaram indo junto com a parece, campeões do ano passado).

A coisa toda parece engraçada até que me lembro do campeão do 'Darwin Awards' de 2008. O infame 'padre dos balões'. Não sei porque, talvez por ter ouvido um pouco do desespero dos conhecidos do tal padre, fiquei intensamente incomodado com as piadinhas e brincadeiras em cima do incauto padre. Não achei a história engraçada, antes trágica e infeliz. Penso que é uma faceta das mais terríveis do ser humano poder fazer piada acerca da morte de uma pessoa como se fosse... bem, como se fosse uma piada mesmo.

Então fica aqui meu protesto (sério) em favor daqueles que sofreram seleção negativa. Sabendo também que poderia muito bem ter sido eu o indicado a receber a tal homenagem, já fiz minha parcela da façanhas pouco inteligentes e nada responsáveis na minha vida, e tenho que agradecer o fato de que o acaso tem seu papel nos processos de genética de população, bem como ao Santo Espirito de Deus que já há um tempo tem tido o misericordioso trabalho de dissuadir minha alma dessa sorte de atividade.

Sei lá, pode parecer bobagem (eu mesmo estou aqui me perguntando acerca da validade deste post), mas pensando em programas de TV como Jackass, cujos participantes parecem tentar (até agora sem susseso) retirar seus genes do pool genico, bem como em mortes que são tão estupidas e tão trágicas - e nada engraçadas (ex. um motorista embriagado). Penso que isso tudo vale para uma reflexão mais profunda acerca do valor da vida...


Paz de Cristo